quarta-feira, 11 de novembro de 2020

O voto impresso

 


Uma pergunta que não quer se calar: por que os políticos e o Supremo Tribunal Federal(STF), resistem ao voto impresso?

A tecnologia existe para facilitar a vida e os trabalhos mas, não veio substituir o homem ou mesmo ela não é 100% infalível. Já vimos muitos hackers entrarem em sistemas totalmente seguros.

No passado o voto era manual. Não sou ingênuo para acreditar que não havia fraudes, porem, quando um candidato ou partidos suspeitavam de fraude havia a recontagem dos votos havendo mais transparência, o que não existe hoje com as urnas eletrônicas.

Qualquer cidadão honesto não consegue assimilar o porquê da resistência ao voto impresso se a impressão dá bem mais transparência a eleição. É por isso, que a única explicação plausível para essa resistência é a fraude que se comete sem a impressão dos votos.

Um exemplo muito significante é o que está acontecendo nos Estados Unidos nesta eleição presidencial. Um candidato não aceitou a derrota pediu a revisão dos votos e está acontecendo em alguns Estados americano e até o momento está demonstrando que houve fraude.

A impressão do voto caracteriza lisura no processo eleitoral e é um direito dos brasileiros que não podem abrir mão dele. Portanto, é fundamental que se haja uma grande manifestação e pressão no Congresso Nacional, para que se aprovado a PEC do voto impresso.

A justificativa da segurança das urnas é pouco, como também o questionamento de que a impressão do voto pode encabrestar o eleitor por aqueles que compram votos ou milícias e traficantes. Ou seja, há várias alternativas que podem ser usadas para que não haja o aliciamento ao eleitor.

Em suma, não podemos abrir não de um direito constitucional e termos que aceitar no Poder aqueles os quais querem nos impor. Não queremos uma eleição apurada em 1, 2, 3...horas. O resultado pode demorar 10, 15 dias, porém, queremos ter a certeza de que aqueles em que votamos e se elegeram assumam o Poder.

Ataíde Lemos

segunda-feira, 14 de setembro de 2020

Eleições Municipais


Mais uma vez chegamos ao momento de definirmos, ou melhor, escolhemos nossos novos representantes municipais. 

Escolheremos prefeito e também os vereadores os quais nos representarão durante quatro anos.

A primeira pergunta que devemos fazer é: estamos satisfeitos com o prefeito e com vereadores atuais?

Segundo; qual o perfil que você deseja para o seu representante?

Terceiro; você prefere escolher um vereador que seja teu amigo ou que seja teu parente, mas que você sabe que não h idoniedade e capacidade ou vice-versa para o cargo? Ou um candidato que talvez você nem tenha essa intimidade, porém, conhece seu perfil e sabe que tem capacidade de fazer um bom mandato.

Quarto; Que tipo de político você prefere aquele que rouba mas faz? Aquele que não rouba e faz? Ou aquele que não rouba mas,também não faz? Certamente muitos dirão que é a segunda opção, ou seja, "não rouba mais faz" mas, na hora de colocar o seu voto lá realmente irá usar esse critério.

Nas últimas eleições a grande maioria dos eleitores fizeram uma opção para um Brasil diferente. Isto é, procurou votar naqueles candidatos anticorrupção. Naqueles candidatos que queriam passar o Brasil a limpo. Porém, para passar o Brasil a limpo primeiro é preciso limpar nossa casa e as eleições municipais é essa oportunidade que nós eleitores temos de moralizar o nosso município. Não estou aqui afirmando que o atual prefeito de sua cidade rouba e também vereadores, no entanto, é fundamental analisar esse critério e mudar, muitas vezes, a estrutura política de seu município.

Outro critério fundamental que deve analisar é como procedeu o seu Prefeito os seus vereadores diante dessa epidemia. Eles preocuparam de fato com a saúde ou se preocuparam apenas em receber dinheiro do Governo Federal? Como procederam com a economia dos seus municípios? Promoveram um grande desemprego sendo levados pelas grandes mídias que todos sabemos serem  adversárias ferrenhas do governo federal ou realmente preocuparam sim com pandemia criando uma estrutura para cuidar dos doentes, mas também preocuparam com o emprego da sua cidade não quebrando pequenas e médias empresas e não causando constrangimento seus cidadãos humilhando-os muitas vezes, como observamos ocorrer em vários municípios tratando cidadãos honestos como criminosos. 

Enfim, agora nessas eleições municipais é o momento deles prestarem contas do que fizeram e de nós como cidadãos fazermos o nosso julgamento. Julgamento racional para o bem e o futuro de nosso município.  A escolha está nas nossas mãos e somos responsáveis pelo nosso futuro. Em suma, o futuro é a nossa escolha. 


Ataíde Lemos

domingo, 23 de agosto de 2020

Uso de máscaras

 Já pararam para pensar que o uso da máscara está fazendo mal para as pessoas? Elas estão sentindo sufocadas. Além de não nos proteger contra o coronávirus estamos nos adoecendo porque não inalamos o oxigênio de forma plena e estamos inalando parte do nosso gás carbônico que deveriamos expirar. Isto é elementar não precisa ser médico para sabermos disto.

O uso de máscaras está adoecendo pessoas sadias porque estão inspirando aquilo que elas deveriam espelir do organismo através da respiração.

Pessoas que tem problema de asma, sinusite., de renite a máscara está fazendo mal a elas, da mesma maneira, aquelas que se gripam estão tendo dificuldade de curar-se ou mesmo, muitos estão se gripando com facilidade.

Somente o uso de máscaras não tem feito um mal maior às pessoas porque muitos não estão cumpindo ao pé da letra o que as autoridades estão exigindo. É como disse o presidentes "Leis absurdas não se cumpre".


Ataíde Lemos


sexta-feira, 21 de agosto de 2020

A politicagem contra o Brasil


A politicagem, a briga pelo Poder e pelo dinheiro do povo brasileiro, torna-se os políticos uma vergonha que envergonha todo povo brasileiro, evidentemente com algumas exceções.

A presidente Dilma quebrou o Brasil, entrou Michel Temer e deu uma melhorada, uma reorganizada. Jair Bolsonaro, logo em seu primeiro ano de governo baixou significativamente o desemprego e o Brasil voltou a crescer. Porém, devido o País estar quebrado o crescimento ainda foi pequeno.

Pois bem, mesmo diante de um bom cenário que vinha ocorrendo no Brasil, seus adversários políticos não preocupados com o País, mas sim, com a perda do Poder Executivo e também de todas as opções de corrupção e privilégios ocultos, mantinham uma perseguição ferrenha ao seu governo com o objetivo de desestruturar e assim atingir uma baixa popularidade para derrubá-lo como ocorreu com a presidente Dilma. No entanto, tudo que faziam para destruí-lo acabava fortalecendo-o ainda mais.

Até que no meio do caminho surgiu uma pedra com o nome de coronavírus que acabou desestruturando e desorganizando todo o processo de crescimento que vinha acontecendo no Brasil.

A pandemia do covid-19, fortaleceu todos os seus adversários que se uniram no intuito de derrubá-lo, já que esta seria a grande oportunidade devido à crise gerada com a paralisação da economia e com o desemprego com índices elevadissimos. Aproveitaram-se da preocupação de Jair Bolsonaro com o desemprego e procuraram de todas as formas jogá-lo contra a população dizendo que ele era a favor da morte. No entanto, todas essas tentativas falharam. Isto tanto é verdade que em plena pandemia Bolsonaro goza dos melhores índices de aprovação de seu governo. Porém, a tentativa de seus adversários: os políticos, as organizações não governamentais, parte da grande mídia e membros de outros Poderes, de toda maneira querem quebrar o Brasil com fake news, canetaços, aprovação de leis e derrubada de vetos do Executivo, não se importando com o País, mas sim, com seus objetivos que é atingir o presidente.

Enfim, a eleição de Jair Bolsonaro deu um novo rumo para o Brasil, mas a politicagem, o jogo de interesse tanto dos políticos como daqueles que sempre mamaram no Brasil procuram manter o País quebrado, para que possam voltar ao comando do Executivo e retornar ao crime transformando essa grande Nação numa quadrilha governamental.

Ataíde Lemos


segunda-feira, 27 de julho de 2020

Politico; o preço da traição


Nas eleições em 2018, muitos políticos encostaram em Jair Bolsonaro, usaram do seu grande índice nas pesquisas e acabaram se elegendo em suas costas. Muitos dos que se elegeram eram novos na política e aproveitando-se do clima político em que vivia a sociedade brasileira pela corrupção e do repúdio contra grande maioria de políticos corruptos aproveitaram-se das manifestações e ingressaram na política Ou seja, embarcaram de carona num momento para tornarem-se politicos-partidarios. Isso até é natural para os que buscam a política como meio de vida, de enriquecimento e previlegios. São os oprtunista de plantão com raríssimas exceções.

Muitos destes ao estarem no Poder procuraram bandiar-se para o lado dos políticos tradicionais principalmente, os corruptos, aqueles os quais por muitos anos estão no Congresso Nacional através da corrupção e de lobbies de empreiteiras e organizações não governamentais. Desta forma, viraram as costas para o presidente Jair Bolsonaro e também para todos os brasileiros que os colocaram no legislativo.

No entanto, estes políticos acreditaram que tudo continuaria da mesma forma como antes, ou seja, passaria-se as eleições os eleitores iriam esquecer em quem votou, o presidente perderia prestígio ou mudaria o discurso após ter sido eleito e eles criariam suas bases eleitorais para continuarem no Poder. Porém, esqueceram que tudo mudou, que o cidadão não é mais aquele eleitor de antigamente. Esqueceram que as redes sociais, as mesmas que eles utilizaram para conquistar o eleitor, continua em sua evolução e mudando a realidade das eleições.

Hoje, o político seja ele senador, deputado vereador, governador e prefeito não engana mais o eleitor, sua vida e sua atuação é explícita às redes sociais. Hoje o deputado ou senador não pode mais ir de 4 em 4 anos ludibriar seu eleitorado, pois, o eleitor acompanha o dia a dia do político online e tem tudo arquivado para cobrá-lo e cobrar com juros altos e que muitas vezes, custa sua reeleição.

Nas eleições para prefeitos e vereadores muitos desses que traíram o povo brasileiro estarão fora do Poder e em 2022 outros tantos como senadores, deputados e governadores também pagaram o preço por terem traído seus eleitores.

De certa forma, a pandemia do coronavírus contribuiu para que o eleitor possa distinguir a posição dos políticos em relação ao Brasil e também ao presidente que foi eleito democraticamente por quase 58 milhõe de leitores e que muitos políticos o abandonou, inclusive, tentando derrubá-lo o que só não ocorre porque o presidente possui grande apoio popular.


Ataíde Lemos

quarta-feira, 8 de julho de 2020

Covid-19



Compreendo a preocupação das autoridades sejam elas os gestores como governadores, prefeitos deputados vereadores e o judiciário quanto a prevenção em relação ao contágio do coronavírus.

A teoria diz como se deve agir preventivamente, porém, na prática vê que essa ação é totalmente incompatível com a realidade. É incompatível por várias situações que são:

Primeiro; o contágio se dá de forma diferentemente como previsto teoricamente como, por exemplo, na maioria das vezes, pessoas contaminadas não estão transmitindo a outras no mesmo ambiente como filhos, cônjuges...

Segundo; apesar de todos os esforços das autoridades na prevenção, vemos muitas aglomerações e isso não está provocando uma contaminação em massa do covid-19 ou se está a imensa maioria é assintomatica e não estão transmitindo a outros.

Terceiro; o índice de óbito está caindo muito em relação aos infectados.

Quarto; o que se vê é que, muitos estão sendo contaminados pelo ar e não pelo contato entre as pessoas ou com objetos contaminados.

Quinto; o índice de pessoas que já se contaminaram com coronavirus é infinitamente superior aos estatísticos, já é incalculável. Portanto, nem a quarentena, nem o isolamento e nem o distanciamento já é o suficiente para o trabalho preventivo contra o coronavirus.

A partir deste quadro, penso que as autoridades precisam voltar à realidade e normalizar comércio com medidas profiláticas preventivas, porém, permitir que a economia flua normalmente. Pois, cada dia que se mantém restrições a economia, mais vai se aprofundar o caos social e econômico da população, dos municípios, dos Estados e da União.

Quando digo em abrir a economia, me refiro numa abertura geral sem restrições de limitações em números de pessoas, horário de funcionamento e apenas medidas preventivas que seriam o álcool em gel e uso de máscaras. Na verdade, essas medidas preventivas é mais de cunho psicológico,haja visto, que não se tem mais controle do coronavirus e que também ele tem diminuído substancialmente a sua letalidade.

Ataíde Lemos
Se concorda compartilhe

quarta-feira, 1 de julho de 2020

Redes sociais e a politica



Ás últimas eleições em 2018 foi marcada pela eleição das redes sociais, onde através dela, candidatos tiveram uma força muito grande em suas campanhas, fato que mudou a história das eleições no Brasil.

O pleito eleitoral realizado em 2018 também tirou da vida pública muitos cacifes políticos que outrora usavam de recursos públicos e de corrupção para manterem seus currais eleitorais. Portanto, na era das redes sociais, mudou-se substancialmente a maneira de como o eleitor se relaciona e tem acesso aos políticos e também suas performance sejam como gestores ou parlamentares. Definitivamente, acabou-se o curral eleitoral e pode-se acompanhar on-line a vida politica, pública e até mesma a privada de um político.

A única forma de retroceder este avanço tecnológico num País democrático é o que muitos parlamentares estão tentando fazer através de criações de leis que limitam o direito de expressão dos cidadãos por meio da censura. No entanto, da mesma forma, que os políticos tentam criar leis para coibir a liberdade da população e a liberdade de expressão existentes, as ferramentas tecnológicas, as redes sociais acabam sufocando estas iniciativas pois, os políticos precisam do eleitorado para continuar na vida pública.

Portanto, não há volta, não tem como neutralizar o avanço tecnológico que está proporcionando esta mudança radical na vida política, social e econômica do mundo. Mais do que a globalização, as redes sociais veio trazer uma novidade que ainda está muito longe do entendimento daqueles políticos que ainda acreditam no curral eleitoral, que ainda acreditam no poder de manipulação através do dinheiro para se perpetuarem no Poder. Hoje o período entre um pleito mantem o mesmo, no entanto, tornou-se muito rápido para o político que tem contato diário com seu eleitor e vice-versa.

As redes sociais estão politizando a sociedade, por possuírem todas as informações de todos os ângulos dos acontecimentos e noticias do mundo politico. Através dela a sociedade pode ter maior capacidade de absorção e depuração das informações. O eleitor não ficou mais preso as mídias tradicionais que sempre impuseram a sua vontade e seus candidatos para ele.

Enfim, o poder das redes sociais no mundo político é tão forte que os próprios (politico) estão preocupados com as mudanças estrutural da forma de fazer política que tentam barra-la. Porém, como colocado acima esta é uma tentativa inútil.

Ataíde Lemos

segunda-feira, 29 de junho de 2020

Deus, Jair Bolsonaro e sua missão




Fico observando os acontecimentos e cada vez mais chego a conclusão que há uma ação de Deus sobre Jair Bolsonaro e que ele foi um escolhido para ser nosso presidente no contexto em que o Brasil está vivendo. Esta minha reflexão não é a de um alienado ou lunático ou mesmo um fanático religioso, mas, sim analisando a conjuntura político-social e religiosa de uma sociedade que tem na sua quase totalidade a religião judaico-cristã.

Pois bem, vamos analisar como há mais de 20 anos governantes vem procedendo e destruindo os valores cristãos de seu povo. Podemos começar com leis que facilitam e acaba de certa forma, legalizando o aborto. É sabido que a imensa maioria dos brasileiros é contra o aborto, porem, os congressistas apoiados pelas grandes mídias e mesmo pelo judiciário avançaram muito em relação ao aborto.

Outro valor fundamental é a família, mudaram a constituição da família, não é aqui uma questão de preconceito, mas, a cada dia vem se descaracterizando o que a fé cristã concebe como família.

Outro fato estarrecedor do que tem ocorrido nestes 20 anos foi uma corrupção desenfreada que tem levado os brasileiros a miséria, principalmente, os mais pobres. Uma corrupção institucionalizada que em tudo que os governantes fazem como politica pública 3/4 dos recursos eram desviados e todo este desvio eram pagos pelos contribuintes, ou seja, os governantes roubando e a sociedade brasileira tendo que pagar esta roubalheira por meio de altas taxas de impostos. Enfim, mais de 20 anos os governantes, grupos sociais, entidades e Poderes da republica roubando a DIGNIDADE, A FÉ E OS RECURSOS dos brasileiros.

O povo saiu as ruas, pediu mudanças, protestou e clamou a Deus por e sempre com a certeza que mudaria este estado de coisas pelo voto. A sociedade sempre pedindo as mudanças de forma democrática. E foi isto que aconteceu.

Deus escolheu uma pessoa do meio politico, um deputado conhecido por politico do baixo clero, isto é,  um politico conhecido, mas sem expressão politica e muito criticado pela mídia e vários outros grupos, por ser firme em suas posições e também por ser um homem integro e honesto. Ou seja, Deus viu nele o perfil daquele que poderia libertar o povo da escravidão e do comunismo que se avizinha em nosso País.

E assim aconteceu, vejamos a trajetória deste homem:

Primeiro sonhou em ser presidente e Deus colocou pessoas ao seu lado para concretização de seu sonho.

Segundo, quando estava em campanha atentaram contra a sua vida. Esfaquearam num golpe fatal diante de milhares de pessoas. Pode-se dizer que não morreu por um milagre, pois, a facada atingiu órgãos vitais de seu corpo

Terceiro, mesmo hospitalizado, sem poder fazer campanha, sem recursos financeiros, ele conseguiu um apoio estrondoso de eleitores jamais vista na história. Enfim, contra todos os tipos de adversários, de grupos econômicos, a grande mídia, a força politica contraria se elegeu presidente da republica.

Quarto, seu governo é marcado por traições de amigos e aliados. Por traições de governadores que se apoiaram em sua popularidade. Traído por um homem que até então, também era amado pelo povo (Sergio Moro), ele se mantem firme e avançando em seu proposito, ou melhor, no proposito de Deus para o Brasil.

Quinto, seus aliados de 1° hora que são jornalistas, blogueiros, políticos e todos seus seguidores sendo perseguidos por um Poder da Republica (Judiciário), especificamente membros do STF. Enfim, mesmo diante inúmeras tentativas de derruba-lo do Poder, pela mídia e outros Poderes Jair Bolsonaro continua vivo, firme e conduzindo o Brasil.

Portanto, para os que acreditam em Deus e observa os sinais dos tempos, não tem como não ver em Jair Bolsonaro um ungido de Deus para esta missão que é a libertação do Brasil contra uma onda crescente comunista que tem como um dos focos destruir a fé cristã, tirar a liberdade dos brasileiros e escravizá-los.


Ataíde Lemos   

quinta-feira, 25 de junho de 2020

Os brasileiros tem rumo

Os brasileiros tem rumo

Muitos políticos que se elegeram, a grande mídia e muitos do sistema corrupto que há no Brasil não conseguiram e não conseguem entender ou até agora fazem que não entenderam que o Brasil mudou.


A eleição de Jair Bolsonaro foi o segundo passo que os brasileiros deram, pois, o primeiro já ocorreu antes quando a população manifestava nas ruas contra a corrupção, contra alguns membros do STF. Enfim, a vitória de Jair Bolsonaro foi a ratificação de todos os esforços para mudar o sistema corrupto político brasileiro. Portanto, a vitória de Jair Bolsonaro é muito mais do que a sua pessoa, é o que ele representa para todos que votaram nele.


Infelizmente, muitos maus políticos surfaram na onda Bolsonaro e acabaram se elegendo enganando o povo que neles votaran, porem, devido vários acontecimentos e a pandemia do coronavírus, muitos desses acabaram sendo desmascarados. Mas, com a eleição agora em 2020 para prefeitos e vereadores muitos deverão perder seus mandatos e desta forma, fortalecer os municípios dando mais base política para o presidente e desta forma, o povo avançará no no projeto escolhido em 2018. Também em 2022 com a reeleição de Jair Bolsonaro e os novos integrantes do Congresso Nacional e os novos governadores se consolidará de vez esse novo projeto para um Brasil melhor e sem corrupção.

É preciso que os políticos e todo o sistema político, tenham consciência de que os brasileiros sabem o que querem e onde querem chegar. Portanto, enquanto houver democracia, ainda que entre aspas, e o eleitor tiver direito ao voto o povo não vai ceder de seus projetos iniciados em 2018 ou até mesmo antes como colocado acima.

Enfim, não é querendo destruir Jair Bolsonaro que se vai destruir o sonho de 58 milhões de brasileiros que votaram nele, pois, este número de pessoas irão continuar a luta por uma mudança de País, por um Brasil melhor. Ou essa classe política que hoje está no Poder se adéqua a essa nova realidade ou serão expurgados da vida política não tem outro caminho. Não será o STF, não são os parlamentares que irão por fim essa consciência adquirida pelo povo brasileiro.
Ataíde Lemos

terça-feira, 9 de junho de 2020

O Presidente tinha razão



Primeiro a OMS diz que somente os infectados deveriam usarem máscaras, Depois que todos e agora que não há necessidade de usar-las somente em aglomerações.

A OMS liberou estudos e uso da cloroquina, logo depois proibiu e agora novamente volta atrás e libera os estudos e seu uso.

A OMS indicou a quarentena e isolamento horizontal como forma de prevenção e diminuição do contágio dizendo que muitos são assintomáticos e transmitiam para outros os vulneráveis, agora vem dizer que raramente os assintomáticos transmitem o vírus.

Pois bem, estas idas e voltas da OMS, foi responsável por centenas de milhares de morte pelo mundo. Foi responsável pela quebra mundial da Economia e em especial no Brasil tem sido responsável de uma crise política e quebra do regime democrático e federativo, bem como, um verdadeiro mar de corrupção pelos Estados e municípios através de seus governadores e prefeitos.

E agora? Como responsabilizá-la? Certamente para a OMS nada vai acontecer, talvez o máximo que pode ocorrer é a sua descredibilidade, porém, o prejuízo ficou para todos os países que seguiram suas orientações, inclusive o Brasil.

Lembro-me que no início da pandemia o presidente Jair Bolsonaro disse que muitos dariam-lhe razão pelas suas atitudes que era: cuidar dos grupos de riscos,mas, não fechar a Economia, inclusive, reabrir as escolas, e em menos de três meses já vimos que ele realmente tinha razão. Também vários especialistas infectologistas foram ridicularizados quando apoiaram o pensamento do presidente.

Em suma, é isso aí, o presidente tinha razão e o povo sabe disto. Agora seus adversários procuram de várias formas tentar justificar o injustificável. Justificar o que a própria OMS não sabe. Certamente, essas mortes e quebra econômicas que originaram desemprego, fome, miséria, etc em seus estados e municípios estarão em suas contas (governadores, prefeitos, deputados e vereadores) e deverão ser prestadas e pagas nas eleições futuras. O cidadão saberá cobrar com juros e correção monetária.
Ataíde Lemos

quarta-feira, 20 de maio de 2020

Corona Vírus; A Pedra No Meio Do Caminho




Covid-19, um vírus de muitas dúvidas, incertezas, Fake News, politicagem que tem resultado em quebradeiras econômicas em muitos Países.

A Organização Mundial da Saúde (OMS), já recomendou vários protocolos e depois voltou atrás. Ou seja, ela como todos os países que enfrentam a pandemia se encontram no escuro, como também, em muitos países como, por exemplo, no Brasil, se fez da pandemia uma politicagem e abriu uma oportunidade para que os políticos corruptos pudessem fazer o que mais gostam que é roubar os cofres públicos.

O corona vírus tem sido usado para desestruturar nosso País, aonde muitos políticos de esquerda, organizações governamentais, Poderes da Republica e também parte da mídia tem se usado dela para tomar o Poder Executivo e implementar, ou melhor, retornar o antigo sistema corrupto de Poder, reconstruindo uma sociedade dependente do Estado e aonde este Estado seja grande e detentor dos direitos individuais e coletivo dos cidadãos, um comunismo branco.

Quanto ao vírus Covid-19, há muitas divergências entre a comunidade científica em relação aos medicamentos utilizados para o tratamento e as medidas de prevenção como a quarentena e o confinamento, pois, há dados comprovados por pesquisas que o confinamento não tem produzidos resultados positivos, pois, há muitos contágios ocorrendo dentro destes confinamentos. Portanto, a medida mais eficiente que se deve tomar é cuidar da doença protegendo o grupo de risco que são os mais idosos, as pessoas com baixa imunidade e doenças crônicas e com medidas preventivas e permitir que a Economia volte a fluir novamente, pois, o confinamento prolongado só vai intensificar a crise na saúde pela contaminação dentro de casa como também provocar outras doenças pela crise que abaterá sobre o País.

No Brasil havia um sistema corrupto politico e de corrupção generalizada gravíssima, a sociedade brasileira através do voto elegeu um novo projeto para o Brasil. Foi uma vitória do povo contra todo um sistema, no entanto, este sistema como está enraizado, o novo governo estava encontrando dificuldades para desmonta-lo. Porém, mesmo através de muitos entraves o projeto do povo brasileiro estava caminhando bem, pois, o Brasil estava retornando o seu crescimento; o loteamento do País vinha sendo desarticulado até que surgiu uma pedra (corona vírus) no meio do caminho e deu combustível para que o velho projeto retomasse com força total para reassumir o Brasil.


Ataíde Lemos

sexta-feira, 8 de maio de 2020

Coronavírus e Economia




Osmar Terra e Sergio Camargo de Godoy fazem críticas ao modelo de quarentena prolongada, pois, a partir de um tempo as pessoas passam a serem infectadas dentro de casa porque é impossível manter 100 % das pessoas em casa e assim, as pessoas são infectadas. Nesta semana o prefeito de Nova York, disse se sentir frustrado, pois, grande parte das pessoas internadas pelo COVID19 foram infectadas em casa.

                Estes médicos e também jornalistas como, por exemplo, Augusto Nunes da Jovem Pan, também comentam de que a quarentena tem como fundamento a achatar a curva da transmissão do coronavírus para que o Poder Público (União, Estados e municípios), estruture seus hospitais para receber os infectados graves e gravíssimos, para que não haja colapso na Saúde.

Portanto, estamos numa encruzilhada, se ficar o bicho come e se correr o bicho pega. Pois, manter, as pessoas confinadas não irão diminuir o contagio, pelo contrário, as pessoas se contaminarão mesmo dentro de suas casas. Já se a Economia for aberta também as pessoas serão infectadas. Sendo assim, como já se passaram mais de 45 dias e os Estados e municípios não tem recursos para atender todos que se infectarão é preciso usar o meio termo que é a abertura da Economia, com as devidas restrições, para que como se tem dito, a dose do remédio para cura do coronavirus não se torne veneno tanto os infectados quanto para a população em geral.

                É preciso ressaltar que não existe Saúde (vida) x Economia, são duas linhas paralelas, ou seja, seguem a mesma direção. Vida depende de economia e economia é para a vida e este é o alinhamento que precisa haver entre as autoridades. Defender a abertura da Economia não é ser a favor da morte. Quem prega isto são pessoas que tratam esta epidemia de forma ideológica e política, usando da psicologia do terror para atingir seus objetivos sem pensar num todo ou ser ignorante no assunto.

                Infelizmente, teremos que conviver com o Covid-19, como uma gripe perigosa que levará pessoas aos hospitais e muitos perderão suas vidas até que suja uma vacina contra este vírus, desta forma, é preciso que se invista na saúde e torcer para que a partir do pico da os números de infectados comecem a diminuir dentro de uma Economia funcionando.

Ataíde Lemos

segunda-feira, 4 de maio de 2020

O STF extrapolando Poderes




Gostaria de iniciar este artigo dizendo que o Brasil possui três Poderes da Republica: Executivo, Legislativo e Judiciário. Cada Poder é independente e distinto devendo conviver harmoniosamente entre si. Tanto o Executivo quanto o Legislativo são Poderes eletivo, isto é, de tempo em tempo a população elege seus representantes, já o Judiciário na sua maioria são servidores públicos concursados, porem, o Supremo Tribunal Federal (STF), a maior instancia do Judiciário, seus membros são escolhidos pelo Executivo que após uma sabatina no senado é eleito ministro e tem seu mandato até completar 75 anos de idade. Poderíamos dizer que é um mandato “vitalício”.

O STF é a maior instancia do Poder Judiciário e composto por 11 ministros, os quais tem o compromisso de interpretar e fazer cumprir a Constituição Federal. Teoricamente, deve ser composto de pessoas notáveis e de grande saber jurídico, pois, suas decisões são possuídas de grades repercorram e mudanças na ordem social, econômica do País.

Pois bem, dito isto, entro de fato no objetivo do artigo. Desde a nova Constituição Federal, temos observado que o STF, mais faz politica do que julga processos tecnicamente. Observamos que muitos ministros, embora, possui um bom currículo, mas, muitos deles foram advogados de partidos, secretários de governos e até ministros do Executivo e isto tem levado o STF ser mais um partido politico e com uma identidade ideológica do que julgadores isentos e fieis responsáveis pela Constituição.

Outro fato que temos visto neste mais de 20 anos, é que os membros do STF, estão de forma indevida interferindo-nos outros Poderes da Republica, prejudicando a harmonia dos Poderes, ora legislando, ora afrontando o Executivo e também oras afrontando a Constituição Federal  tomando de medidas inconstitucionais.

Tenho observado que esta busca ao estrelato, muitos ministros do STF, estão buscando as mídias de formas rotineiras para expressar suas opiniões que muitas vezes, refletem em seus vereditos tirando assim, a imparcialidade na hora de julgar determinados temas.

Partidos políticos ou mesmo parlamentares percebendo esta interferência do STF em outros Poderes, estão usando deste expediente  inserir destaque em leis aprovadas pelo legislativo como também retirar artigos. Para eles (Parlamentares e Partidos) é mais fácil aprovar ou retirar artigos, via Judiciário, do que enfrentar as aprovações no parlamento. Ou seja, o STF, além de suas atribuições invadiu o Legislativo e tornou-se a terceira casa do parlamento, o problema é que muitas vezes, apenas um ministro do STF decide um artigo que precisa de aprovação por quase 700 parlamentares nas 2 casas legislativas.

Outro fato que também estamos vendo ocorrer com muita frequência, são seus membros tomando partido. Ou seja, Ministro chamando o Presidente da Republica de genocida; outro declarando que o Presidente da Republica não está à altura de seu cargo e outros ainda se solidarizando com ministros que infringe a Constituição. Ou seja, estão posicionando contrario ao presidente e assim, tomando lados e isto os impede de serem imparciais em seus julgadores quando precisar analisar processos contra o Executivo, pois, tornam-se parciais por já estarem com pensamentos preconcebidos e ideológicos.
Portanto, é preciso urgentemente repensar o STF, para que ele volte ao seu Poder de origem. Repensar na sua estrutura; repensar na escolha de seus membros, impor limites em suas ações; estabelecer um período menor de mandato e até mesmo ser eletivo os  membros do STF e também colocar penalidades quando eles  avançam outros Poderes. Além do que, estabelecer que ministros do STF tenham mais limites em suas opiniões e manifestações publicas para que sejam de fatos julgadores imparciais, observando somente a Constituição Federal tecnicamente  e não ideológica e politica ou interesses de grupos.

Ataíde Lemos

sábado, 25 de abril de 2020

Os pingos nos is



  1. Vamos colocar o pingo nos is.

Primeiro, a lava-jato acabou quando mudou-se os componentes do Supremo Tribunal Federal. As forças em favor da corrupção no STF ficaram inversas, principal me, quando Tofolli assumiu a presidência.

 Sérgio Moro fez um excelente trabalho, na Lava-jato alimentando a esperança dos brasileiros, porém, nas últimas eleiçoes, mesmo havendo uma renovação no parlamento brasileiro, ainda se manteve líderes corruptos e muitos novos que entraram acabaram mudando de lado apóseleições. Ou seja, parte dos caciques corruptos ainda estão mandando no Congresso Nacional.

Durante a campanha eleitoral Jair Bolsonaro, não disse que convidaria Moro para ser seu Ministro da Justiça, nem poderia dizer, porém, ao convidá-lo e lhe dar carta branca para que pudesse escolher seus auxiliares, nesse sentido, ele acabou criando uma grande expectativa nos brasileiros de que de fato seu mandato seria marcado por um combate aguerrido contra a corrupção. No entanto, como colocado acima durante o mandato de Bolsonaro em 2019, o Supremo Tribunal Federal, somada as leis feita pelo Congresso Nacional, foram desmontando toda a estrutura de combate a corrupção.

Todas essas situações ocorridas durante 2019 em favor da corrupção, penso que já foi umdos motivo da desmotivação de Sérgio Moro no Ministério da Justiça e Segurança Pública, pois, a partir disto seus ideais anticorrupçãoção começou cair por terra, somados as divergências com o presidente, divergências que são inerente ao ofício do trabalho, somou-se sua decisão de pedir demissão.

A guerra contra corrupção é uma guerra longa, ainda quando se soma a esse sistema político socialista e comunista que foi implantado em nosso País por mais de 2 décadas e que está enraizado no Brasil. Com a saída de Sérgio Moro, perde-se uma batalha, mas a guerra contínua e não podemos desistir.

Enfim, não podemos nos abater, pois, Sérgio Moro, já estava com vontade de sair do Ministério da Justiça e Segurança Pública e não podemos dar munição para nossos inimigos que hoje são: grande parte da mídi; parte do Congresso Nacional; infelizmente parte do Supremo Tribunal Federal e vários políticos que não estão no Congresso, mas, exercem uma grande influência nos políticos e parte da sociedade.

Ataíde Lemos

terça-feira, 7 de abril de 2020

Grupo unido para derrubar Jair Bolsonaro do Poder




Jair Bolsonaro, está ficando acuado, há toda uma orquestração para derruba-lo da presidência. Toda uma manobra do legislativo, parte do judiciário incentivado pela mídia que preferem o caos social provocado pela pandemia, para enfraquece-lo.

Sua manutenção no Poder ainda se dá pelo apoio popular que possui e que está lhe dando sustentação política, porque seus algozes, temem e sabem que poderão sofrer derrotas eleitorais massacrantes nas próximas eleições, bem como, temem uma guerra civil no País e ainda um golpe de Estado apoiado pela população e todos estes algozes perderem o Poder e serem presos.  O presidente da república é o chefe das forças armadas, a partir do momento que o presidente possui apoio militar e do povo, ele dá um golpe de Estado e pronto, basta ver o que acontece na Venezuela, em Cuba, na China e em todos os países ditatoriais.

Infelizmente para os que mamavam e usurpavam o Poder como: Rede Globo, as grandes mídias impressas, os políticos corruptos tiveram um golpe quando Bolsonaro assumiu o Poder e também corriam o risco de serem presos. Digo corriam, porque com as manobras políticas o STF, deu um jeito de não deixar prender mais os corruptos.

A eleição de Jair Bolsonaro, embora, foi a manifestação democrática da população, gerou uma crise política por aqueles que sempre mandaram no País, pois, este grupo, mesmo perdendo a eleição é forte e está enraizada em todos os Poderes da República e por ser um grupo forte economicamente e também devido ter Poder, estão minando o seu governo, ainda que eles mantem um grande apoio popular.

Vou aqui exemplificar para entendermos a força que tem este grupo que é minoritário em pessoas, mas, extremamente forte pelo poder político e econômico que possui. No governo de Dilma, ela não possuía nenhum respaldo da população, sua rejeição popular era estrondosa, no entanto, levou muito tempo para que ela fosse destituída do cargo e somente foi, pela manobra política de Michel Temes, de Eduardo Cunha, na época presidente do Congresso e do PMDB para assumir o Poder. Foi somente por isto que ela caiu. Da mesma forma ocorreu com Temer, sem nenhuma aprovação popular e com a oposição batendo em cima, mesmo com o escândalo escancarado do presidente da JBS, nem a oposição, nem a população conseguiu derruba-lo, isto ocorreu porque ele não tinha apoio da população, mas tinha apoio político que ele comprou.

Finalizando, se continuar da forma que está acontecendo Jair Bolsonaro deverá cair, mesmo com todo apoio popular que tem, pois, ele não tem o apoio desta liderança política que há atualmente no Congresso Nacional e a mídia como sabemos é o quarto Poder e muito poderosa que se soma  parte do judiciário formando o grupo que deseja derruba-lo.  
Ataíde Lemos