quarta-feira, 23 de março de 2011

Responsabilidade cidadã na hora de votar


Sempre escrevo artigos políticos, mas a cada eleição há uma doze de frustração, por ver quanto o brasileiro vota sem um comprometimento com a cidadania. Com isto, não quero afirmar que as pessoas precisam pensar como eu, ou votar naqueles que vejo como pessoas comprometidas com o País, afinal, o Ser humano é subjetivo e cada um tem direito e liberdade de escolha. Porém, há alguns fatores, independente o candidato a ser escolhido. Há certos critérios básicos em ser analisado pelo eleitor como, por exemplo, a idoneidade e capacidade para exercer o cargo que postula.

Não há como votar em determinados candidatos que ao ser eleito, não mais se tem noticias, ou seja, candidatos que aparecem apenas em tempos de eleições. Não dá para votar em políticos que, como gestores passam toda sua gestão pública sem fazer nada, isto é, deixam seus municípios, seus Estados em estado de abandono, no entanto, quando aproxima as eleições surgem com faixas, maquinas, haltidors de obras que não foram executadas em seu governo, mas que nos períodos eleitorais são colocados nas ruas, avenidas e ainda usam a mídia para sua promoção visando iludir o eleitor.

Não há como votar em políticos que deixam 3 anos a população sem atendimento a Saúde, a Educação, Segurança, Transportes. Políticos que por períodos de 3 anos deixa a cidade suja, as estradas abandonadas e um ano antes das eleições coloca a máquina pública para enganar os eleitores. Em parlamentares que passam toda sua legislatura sem apresentar nada de melhorias como a fiscalização do Executivo, sem promover Leis que beneficiam a sociedade Parlamentares fogem dos eleitores, ou seja, usam do Poder a ele outorgado pelos eleitores para somente em períodos eleitorais surgirem como benfeitores para que sejam reeleitos novamente.

Porém, quero fazer uma ressalva, para levantar a reflexão de que, se temos maus políticos, ou se eles agem da forma como agem as responsabilidades são dos eleitores. Existem pré-requisitos para que alguém pleiteia cargos eletivos, ou seja, ninguém que esteja no Poder está de maneira ilegal, mesmo que saibamos que há muitos políticos que estão lá e que cometeram delitos eleitorais, porém, até que a Justiça prove o contrário, todos que estão no Poder, estão em conformidade com a Lei. Neste sentido, não há como transferir a nossa responsabilidade como cidadão e como eleitor aos maus políticos.

No Brasil, há muitas entidades sérias que procuram orientar a sociedade para exercer a cidadania eleitoral. Há muitas formas do eleitor conhecer a idoneidade, o trabalho e a capacidade de todo o político. Há cada 2 anos temos eleições políticas, ou seja, não há como dizer que o eleitorado brasileiro é amador ou é incapaz educacionalmente de saber discernir o bom candidato do mal.

A questão está na falta de compromisso com o País, na falta de responsabilidade cidadã. A questão está numa falta de interesse público do eleitor. A sociedade precisa analisar um político durante um todo de sua atividade política e não apenas o ano que antecede ou ano eleitoral.

Por inúmeras eleições que já tivermos após o regime de ditadura, o eleitor não pode continuar sendo obrigado a votar corretamente porque se criam leis para depurar os candidatos, ou seja, já passou da hora dos eleitores serem politizados a tal ponto de saberem escolher candidatos honestos, capacitados sem intervenções de leis. Em suma, não dá para transferir responsabilidade, isto é, falar mal dos políticos e a cada eleição votar nos mesmos.

Ataíde Lemos
Poeta e escritor

Um comentário:

Prof marili disse...

Não tenho críticas escritor...
Muito bom e verdadeiro seu texto.
Não significa que isso aconteça em todos os lugares.
Só tem uma coisa, o povo ainda vê só o poder executivo, nnão percebe e nem sabe , o que um veriador faz, de quem é a responsabilidade...
Ve ainda o perfeito como o culpado ou o bem feitor de tudo...
Outra coisa que percebo a nivel municipal. Prefeitos do PT aqui são muito cobrados...
Muito mais que os outros.
Não reelegemos prefeitos de nem um partido ainda.
Na gestão passada nem um vereador retornou a casa...
Não sei se somos politizados...ou gostamos de tentar novidades rs
Abraços.Sucesso